O VIVER E O MORRER: uma escolha

dia-do-idoso

Álvaro Nicolau – psicólogo, neuropsicólogo

Recentemente estava refletindo sobre o suicídio. Era o mês de setembro. Setembro amarelo!

Neste primeiro dia de outubro, dois assuntos me chamaram a atenção:  O primeiro é sobre a morte, e o morrer. O segundo é relativamente ao idoso. Hoje, 1º de outubro, ouvindo a rádio Itatiaia, ouvi que se comemora o dia do Idoso. Duas pessoas foram entrevistadas.   A primeira, uma senhora de 63 anos que disse mais ou menos o seguinte: “depois dos 60, aparece uma dor aqui, outra ali, a gente sofre muito e nem sei se tem gosto de viver. Dá vontade de morrer”. A outra, senhora de 67 anos que disse mais ou menos” tá bom demais, saio para dançar, passear, agora é que estou vivendo”. Vejam que são duas escolhas diferentes.  Vivemos de escolhas. Quando não consigo ter sintonia com minhas escolhas, quando deixo no outro a responsabilidade de viver minha vida, preciso de ajuda.

Morrer ou viver! Eis uma questão que nada tem de simbólica. A vida precisa ter sentido. Preciso ser senhor de meus desejos para sentir a vida como a estou vivendo. Precisamos ter projetos. Precisamos desenvolver nossa autoestima, viver a vida que só a pessoa pode viver para ela. Não dá para debitar no outro a responsabilidade de me fazer feliz.  Se isso acontecer, é muito poder que passo a outrem.

Lembrei-me da doutora Ana Paula Quintana Arantes, uma das maiores referências sobre Cuidados Paliativos no Brasil, quando diz “a morte é um dia que vale a pena viver”. Ela nos remete a reflexões muito importantes e significativas. Uma dessas reflexões nos leva a entender que “o que nos deveria assustar não é a morte em si, mas a possibilidade de chegarmos ao fim da vida sem aproveitá-la , de não usarmos nosso tempo da maneira  que mais gostaríamos”.

Nesse contexto temos jargões presentes em nosso cotidiano, e um deles diz que “a única certeza que temos na vida é de que vamos morrer um dia”. Certamente que um dia qualquer isto vai acontecer mesmo. Puro realismo. Assustador para muitos de nós.Tais reflexões nos levam a repensar nossa existência focando uma vivencia proveitosa, com relações positivas, hábitos saudáveis. Enfim, nunca devemos morrer em vida.

Vamos viver a vida que temos que viver para nós! Precisamos continuar construindo nossa história a cada momento.